Você está em - Home - Artigos - Análise de marcadores de ultra-som secundário no primeiro trimestre antes de biópsia de vilo corial.

Análise de marcadores de ultra-som secundário no primeiro trimestre antes de biópsia de vilo corial.

OBJETIVO:
Para avaliar de detecção e falso-positivo taxas de ultra-som marcadores-osso nasal (RN), ducto venoso fluxo (DV) e tricúspide regurgitação (TR), durante o primeiro trimestre, em uma população de alto risco genético, e estudar a influência de uma política de rastreio de dois estágios alterar rastreio combinado anterior sobre a taxa de procedimentos invasivos.
MÉTODOS:
Um total de 333 amostras de vilo corial foram obtidos em gestações únicas. Antes da biópsia, o ultra-som marcadores-NB, DV, e TR-foram avaliados, embora os resultados não foram utilizados para recalcular o risco previamente determinado para a síndrome de Down.
RESULTADOS:
Detecção e falso-positivo para as taxas de síndrome de Down foram 63,2% e 3,4% para o RN, 65% e 3,1% para DV, e 50% e de 2,1% para TR. Todos os três marcadores foram normais em 30% [84/277, o intervalo de confiança de 95% (IC) 25% -36%] da biópsia de vilo corial (CVS) realizada para casos achados anormais na tela primeiro trimestre genética, com 0% (0 / 20, IC 95% 0% -17%) taxa de falso-negativo para síndrome de Down.
CONCLUSÃO:
Avaliação de marcadores de ultra-som secundário é viável na prática clínica e a sua utilização pode reduzir o número de procedimentos invasivos desnecessários em 30%.

Fonte: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed?term=Analysis%20of%20secondary%20ultrasound%20markers%20in%20the%20first%20trimester%20before%20chorionic%20villus%20sampling.



Texto Original

OBJECTIVE:
To evaluate detection and false-positive rates of the ultrasound markers-nasal bone (NB), ductus venosus (DV) flow and tricuspid regurgitation (TR)-during the first trimester in a population at high genetic risk, and to study the influence of a two-stage screening policy alter previous combined screening on the rate of invasive procedures.
METHODS:
A total of 333 chorionic villus samples were obtained in singleton pregnancies. Before biopsy, the ultrasound markers-NB, DV, and TR-were assessed, although the findings were not used to recalculate the previously determined risk for Down syndrome.
RESULTS:
Detection and false-positive rates for Down syndrome were 63.2% and 3.4% for NB, 65% and 3.1% for DV, and 50% and 2.1% for TR. All three markers were normal in 30% [84/277, 95% confidence interval (CI) 25%-36%] of chorionic villus sampling (CVS) cases performed for abnormal findings at the first trimester genetic screen, with 0% (0/20, 95% CI 0%-17%) false-negative rate for Down syndrome.
CONCLUSION:
Assessment of secondary ultrasound markers is feasible in clinical practice and their use could reduce the number of unnecessary invasive procedures by 30%.

Desenvolvimento WSB