Você está em - Home - Artigos - Idade materna e da gestação de risco específico para a trissomia 21.

Idade materna e da gestação de risco específico para a trissomia 21.

Para fornecer estimativas da idade materna e gestacional relacionadas à idade riscos de trissomia 21.
A prevalência de trissomia 21 foi examinada em 57,614 mulheres que tiveram cariótipo fetal em 9-16 semanas de gestação para a única indicação de idade materna de 35 anos ou mais. Com base na distribuição da idade materna eo risco relatado relacionada com a idade materna de trissomia 21 no momento do nascimento, o número esperado de trissomia 21 casos foi calculada para cada subgrupo idade gestacional (9-10 semanas, 11-14 e 15-16 semanas semana). A relação da observada para o número esperado de casos de trissomia 21 foi então calculada e análise de regressão foi aplicado para derivar uma curva flexibilizados. A fórmula para a idade e materno risco relacionada com a idade gestacional foi então aplicada a uma população de 96,127 gravidezes que foram examinados em 10-14 semanas para calcular o número esperado de trissomia 21 gravidezes, e este número foi comparado com o número observado de 326 .
Nos 57,614 gravidezes não havia 538 casos de trissomia 21. As prevalências relativas de trissomia do cromossomo 21, comparado a uma prevalência de 1,0 a 40 semanas, foi de 10 exp (0,2718 log x (10) (gestação) 2-1,023 x log10 (gestação) + 0,9425). Com base na idade e estimado materna gestacionais relacionadas com a idade riscos, o número esperado de trissomia 21 casos em 10-14 semanas de gestação no 96,127 gravidezes foi de 329 (intervalo de confiança 95% 291-361), que não foi significativamente diferente do número observado de 326 casos (chi2 = 0,02).
O risco de trissomia do 21 aumenta com a idade materna e diminui com a idade gestacional. A prevalência de trissomia 21, 12 e 16 semanas de gestação é maior do que a prevalência de 40 semanas em 30% e 21%, respectivamente.

Fonte: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10204206



Texto Original

To provide estimates of maternal age- and gestational age-related risks for trisomy 21.
The prevalence of trisomy 21 was examined in 57,614 women who had fetal karyotyping at 9-16 weeks of gestation for the sole indication of maternal age of 35 years or more. On the basis of the maternal age distribution and the reported maternal age-related risk for trisomy 21 at birth, the expected number of trisomy 21 cases was calculated for each gestational age subgroup (9-10 weeks, 11-14 weeks and 15-16 weeks). The ratio of the observed to expected number of cases of trisomy 21 was then calculated and regression analysis was applied to derive a smoothened curve. The formula for maternal age- and gestational age-related risk was then applied to a population of 96,127 pregnancies that were examined at 10-14 weeks to calculate the expected number of trisomy 21 pregnancies, and this number was compared to the observed number of 326.
In the 57,614 pregnancies there were 538 cases of trisomy 21. The relative prevalences of trisomy 21, compared to a prevalence of 1.0 at 40 weeks, was 10 exp(0.2718 x log(10)(gestation)2 - 1.023 x log10(gestation) + 0.9425). On the basis of the estimated maternal age- and gestational age-related risks, the expected number of trisomy 21 cases at 10-14 weeks of gestation in the 96,127 pregnancies was 329 (95% confidence interval 291-361), which was not significantly different from the observed number of 326 cases (chi2 = 0.02).
The risk for trisomy 21 increases with maternal age and decreases with gestation. The prevalence of trisomy 21 at 12 and 16 weeks of gestation is higher than the prevalence at 40 weeks by 30% and 21%, respectively.

Desenvolvimento WSB